Logística Reversa dos produtos: setores sociais, ecologia e cidadania

Conceito

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (estabelecida pela lei 12.305 de 2/08/2010), a logística reversa pode ser definida como “instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

 

Quando entrará em vigor

De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a logística reversa passará a vigorar em 2014 e deverá estar implantada em todo país até o ano de 2015. Porém, já existem muitas indústrias utilizando a logística reversa em função da política de responsabilidade ambiental que possuem.

 

Vantagens para a sociedade e meio ambiente

Possibilita o retorno de resíduos sólidos para as empresas de origem, evitando que eles possam poluir ou contaminar o meio ambiente (solo, rios, mares, florestas, etc.);

Permite economia nos processos produtivos das empresas, uma vez que estes resíduos entram novamente na cadeia produtiva, diminuindo o consumo de matérias-primas;

Cria um sistema de responsabilidade compartilhada para o destino dos resíduos sólidos. Governos, empresas e consumidores passam a ser responsáveis pela coleta seletiva, separação, descarte e destino dos resíduos sólidos (principalmente recicláveis);

As indústrias passarão a usar tecnologias mais limpas e, para facilitar a reutilização, criarão embalagens e produtos que sejam mais facilmente reciclados.

 

Logística reversa e sustentabilidade

A implantação do sistema de logística reversa é mais um elemento rumo ao desenvolvimento sustentável do planeta, pois possibilita a reutilização e redução no consumo de matérias-primas.

 

Como funcionará na prática: exemplo de logística reversa

Uma empresa fabricante de pneus deverá receber de volta seus produtos já usados. O consumidor, após usar os pneus, deverá encaminhá-los a postos de coleta específicos (que podem estar instalados no comércio onde ele adquiriu), onde serão retirados pelo fabricante. O fabricante reutilizará estes pneus usados, após passar por determinados procedimentos, na linha de produção de pneus novos ou outros produtos.

Desta forma, a logística reversa impedirá que estes pneus sejam descartados em rios ou terrenos, poluindo o meio ambiente.

 

A função de cada setor no processo:

Consumidores: devolver os produtos que não são mais usados em postos (locais) específicos.

Comerciantes: instalar locais específicos para a coleta (devolução) destes produtos.

Indústrias: retirar estes produtos, através de um sistema de logística, reciclá-los ou reutilizá-los.

Governo: criar campanhas de educação e conscientização para os consumidores, além de fiscalizar a execução das etapas da logística reversa.

 

Principais produtos que farão parte do sistema de logística reversa:

Pneus;

Pilhas e baterias;

Embalagens e resíduos de agrotóxicos;

Lâmpadas fluorescentes, de mercúrio e vapor de sódio;

Óleos lubrificantes automotivos;

Peças e equipamentos eletrônicos e de informática;

Eletrodomésticos  (geladeiras, fogões, micro-ondas, freezers, etc ...)

 

Bibliografia Indicada:

Logística Reversa, Meio Ambiente e Competitividade

Autor: Leite, Paulo Roberto  -  Editora: Prentice Hall

Temas: Meio Ambiente, Logística, Administração

 

Logística Reversa como solução para o problema do lixo eletrônico

Autor: Miguez, Eduardo C.  -  Editora: Qualitymark

Temas: Meio Ambiente, Ecologia, Administração

 

Fonte: Sua Pesquisa

 

Ainda nenhum comentário.

Deixe um comentário